ESPECIAL DIA DA MULHER: CABELEIREIRAS E O MERCADO DE TRABALHO

ESPECIAL DIA DA MULHER: CABELEIREIRAS E O MERCADO DE TRABALHO

No Dia Internacional da Mulher, uma reflexão sobre o mercado de trabalho para profissionais cabeleireiras e dicas de ações para realizar na data especial

O Dia Internacional da Mulher é celebrado em 08 de março e foi oficializado pela Organização das Nações Unidas na década de 1970. A data simboliza a luta das mulheres pela igualdade de direitos civis, e atualmente, destaca a luta das mulheres contra a desigualdade salarial, o machismo e a violência.

Cada vez mais a sociedade reconhece a competência profissional feminina, porém a desigualdade de gênero ainda existe e cria vários obstáculos para as mulheres no mercado de trabalho. E nesse cenário, a diferença salarial é uma realidade não apenas no Brasil, mas no mundo.

De acordo com o relatório do último Fórum Econômico Mundial, equiparar as condições entre gêneros no país levará 100 anos. A taxa brasileira é melhor que a média mundial, de cerca de 170 anos.

 

Profissão: cabeleireira

Um estudo realizado pela ActionAid, em 2019, mostra que os homens ganham, em média, 25% a mais que as mulheres – mesmo com uma queda na desigualdade salarial entre 2012 e 2018. A mesma pesquisa relata que atividades de cabeleireiro e outros tratamentos de beleza representavam 10% das MEI e, destas, 81% eram mulheres.

Apesar da legislação brasileira garantir a igualdade salarial entre homens e mulheres, a realidade é outra. Por isso, é importante conscientizar porque, muitas vezes, as profissionais não conhecem seu direito.

As desvantagens vão além da remuneração. De acordo com dados do Catalyst, os homens são as primeiras opções para trabalhos que exigem mais responsabilidades, têm maiores equipes e contam com o dobro do orçamento.

Mas será que as profissionais cabeleireiras também enfrentam essa situação? Embora, o número de mulheres seja superior ao de homens, é fato que eles têm maior destaque que elas.

Numa lista com os cinco cabeleireiros mais badalados de São Paulo, são citados quatro homens e apenas uma mulher. E se pesquisarmos no nosso “oráculo” Google sobre os profissionais mais famosos do mundo, figuram somente nomes de homens: Alexandre de Paris, Vidal Sassoon, Lluís Llongueras, Jacques Dessange, Guido Palau…

Vamos mudar esse cenário e começar a dar mais destaque para as cabeleireiras também? A mudança começa com cada um de nós!

O que fazer no salão para celebrar o Dia Internacional da Mulher?

Essa data especial merece atenção e deve ser celebrada com ações que apresentem temas de autoestima, sororidade, empreendedorismo feminino, enfim, o que valorize a mulher.

Você pode montar pacotes de beleza com algum tratamento estético, corte de cabelo, hidratação, coloração etc. Outras ideias: oferecer descontos, planejar palestras motivacionais, fazer sorteios, elaborar kits de produtos, dar mimos para as clientes (chocolate, por exemplo), entre outras.